Storytelling de dados é a nova linguagem das corporações

Encontrar e comunicar insights de dados agora é um esporte de equipe.

Mesmo com a automação, mesmo com conjuntos imensos de dados, mesmo com cálculos inteligentes, se você não pode comunicar descobertas para os outros, você não pode criar impacto com a sua análise. Esse é o poder da visualização de dados.

A visualização de dados é uma linguagem e está se tornando padrão para os analistas saberem como transmitir informações aos tomadores de decisão de forma que seja acionável e fácil de entender. Essa habilidade, combinada com a capacidade de compartilhar os passos que levaram a descobrir os insights em dados, é muitas vezes definida como “Storytelling de dados”.

Storytelling de dados é um elemento crítico do processo de análise. É quase uma cultura em mudança no local de trabalho, onde a analítica reina de forma suprema e está refinando a definição de narrativa de dados. À medida que as organizações criam culturas de análise, os métodos de narrativa de dados dos analistas são mais sobre a criação de uma conversa em torno dos dados e menos sobre a argumentação para uma conclusão singular.

Essas culturas analíticas também estão promovendo os esforços de alfabetização de dados, destinados a ensinar as pessoas a compreenderem verdadeiramente os dados e a serem participantes na conversa analítica — desde o momento da descoberta até a tomada de decisão.

Andy Kirk, especialista em visualização de dados e fundador da VisualisingData compartilha os sete chapéus de visualização de dados. Um deles é o comunicador: “uma pessoa fundamentalmente preocupada com todas as relações humanas envolvidas em qualquer projeto (os Comissários, os stakeholders e o público)”. Andy explica como “todo o trabalho de visualização, pelo menos no sentido de comunicação, tem que ser centrado no público.” Os trabalhadores de dados precisam entender o processo do público na formação de conclusão de uma visualização. E, ao mesmo tempo, o público tem a responsabilidade de interpretar os dados e deve estar “disposto a ser informado.”

“Como membros do público, precisamos estar dispostos a ser informados, a ser capazes de interpretar, e precisamos ter um grau de conhecimento do assunto. Se isso não é algo que temos, então o designer tem que assumir a responsabilidade de nos fornecer uma noção do que tudo isso significa.”
Andy Kirk, fundador, VisualisingData.com

Essa mudança na narrativa de dados também se manifesta nas tendências de visualização deles. Formatos de narrativa de forma longa — por meio de painéis de rolagem ou de várias páginas — tornam-se mais comuns, permitindo que o analista exiba sua abordagem passo a passo para uma conclusão.

Esses métodos permitem que os analistas mostrem a progressão de sua análise, destacando as percepções encontradas nos dados e as suposições resultantes. A próxima etapa é criar uma conversa aberta em torno desses insights. Isso deixa espaço para pessoas de diferentes funções ou departamentos participarem e agrega uma diversidade de perspectivas antes de tomar uma decisão de negócios.

A narrativa de dados continuará a permear a cultura do local de trabalho à medida que mais organizações criarem fluxos de trabalho e equipes focados em colaboração analítica. Essa abordagem está moldando como as organizações usam dados para engajar, informar e testar ideias. E como mais pessoas entendem como interpretar dados e explicar seu processo analítico, amplifica o potencial para o impacto do negócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *